Aleitamento.com
AmamentaçãoMãe CangurúCriançasCuidado PaternoHumanização do PartoBancos de Leite Humano Espiritualidade & Saúde DireitosProteçãoPromoçãoILCA / IBCLCConteúdo ExclusivoTV AleitamentoGaleria AMNotíciasEventosSites e BlogsLivrariaCampanhas
 
Faça seu login e utilize ferramentas exclusivas. Se esqueceu a senha, acesse o "cadastre-se" e preencha com seu e-mail.

Leite humano de laboratório?!

Por: Prof. Marcus Renato de Carvalho, UFRJ

 /

Leite humano produzido em laboratório

 Jenny Kleeman* – The Guardian, Inglaterra

 Pensado por uma mãe nova e cansada, e agora apoiado por Bill Gates, o leite humano manufaturado soa como coisa de ficção científica. Mais interesses comerciais contra a Amamentação?!

Dra. Leila Strickland tornou-se mãe quando faltavam poucos meses para concluir sua bolsa de pós-doutorado em biologia celular na Universidade de Stanford. Ela passou os primeiros três meses de vida do filho “em casa, de licença maternidade, lutando para amamentar. Eu estava tendo dificuldade em produzir leite suficiente.” Ela nunca esperava encontrar um desafio maior - amamentar seu bebê do que a citologia avançada, sua especialidade.

“Minha mãe amamentou a mim e minha irmã por mais de dois anos. Durante toda a minha vida, aceitei totalmente a proposição de que o leite materno é a melhor nutrição para um bebê e que eu amamentaria o meu bebê.” Consultores de lactação, pediatras e amigos bem-intencionados disseram a ela para continuar tentando. “Por estar tão despreparada para o aleitamento, achei muito frustrante. Eu senti que havia algo errado comigo.”

Relutantemente - Strickland decidiu dar mamadeira a seu bebê com fórmula. “Foi conveniente e prático, e permitiu que eu dormisse mais e meu marido participasse. De certa forma, consegui ser uma mãe melhor e muito mais feliz, mas sabia que estava fazendo uma troca. Eu sabia que o produto que meu filho estava recebendo era ideal para vacas, que não tinha a composição nutricional ideal. Foi bom o suficiente – mas, uma mãe fica feliz com o que é bom o suficiente?”

Onze anos depois, Strickland combinou suas experiências como mãe estressada e bióloga celular de uma forma que pode mudar a forma como alimentamos nossos bebês para sempre: ela descobriu como fazer leite humano sem a mama materna. Sua startup, Biomilq , cultiva células mamárias em um laboratório - cultivando-as fora do corpo - e coleta o leite que elas secretam. A empresa a chama de “a mãe de toda tecnologia patenteada” e chamou a atenção de Bill Gates, que comprou uma participação de $ 3,5 milhões (£ 2,7 milhões) na Biomilq. Potencialmente, poderia acabar com a indústria de fórmulas infantis como a conhecemos.

Embora a ciência mostre que a mama feminina é melhor - ajudando a consolidar a conexão emocional entre mãe filho; fornecer nutrição, anticorpos e bactérias ideais; reduzindo o risco de obesidade e diabetes na idade adulta - a amamentação pode ser uma loteria. Muitas mulheres acham isso simples e gratificante, mas para outras é doloroso e desmoralizante. Às vezes, os bebês têm a língua presa (curta) e não pegam, ou a mãe tem fissuras mamilares, ingurgitamento, mastites... ou acha que não produz leite suficiente para o bebê ganhar o peso necessário para satisfazer os pediatras e puericultoras sempre vigilantes. Às vezes, o bebê é prematuro ou doente e precisa ser alimentado por uma sonda, ou a mãe fica com vergonha de amamentar em público ou precisa voltar ao trabalho rapidamente. Diante desses desafios, as mães mais determinadas podem extrair leite com uma bomba; mas a ordenha pode ser uma experiência demorada e muitas vezes lamentável.

Agricultura celular  

A alternativa é a fórmula? Mas, como Strickland diz, é uma troca. Embora sua composição tenha melhorado, as fórmulas infantis geralmente são feitas de leite de vaca e, portanto, contêm açúcares, proteínas e gorduras mais adequadas para bezerros. O leite humano contém hormônios, anticorpos e bactérias amigáveis, bem como proteínas e açúcares exclusivos. A fórmula também tem uma pegada de carbono substancial; é feito de produtos que dependem da pecuária leiteira, ou do cultivo de óleo de palma ou soja. Há também a “vergonha” que algumas mães sentem depois de usar a mamadeira: as mulheres que usam fórmula depois de lutar para amamentar têm demonstrado maior nível de culpa do que as mães que optaram por não amamentar desde o início.

Fundada em janeiro de 2020, a Biomilq se orgulha de ser “propriedade de mulheres, liderada pela ciência e centrada na mãe”. Strickland está fazendo malabarismos para administrar o laboratório e educar em casa seus dois filhos durante o confinamento; em nossa vídeo chamada de sua casa na Carolina do Norte, ela está casualmente vestida com um moletom e posso ouvir o som de pratos sendo derrubados de mesas em quartos distantes enquanto conversamos.

O cultivo de alimentos em um laboratório é chamado de “agricultura celular” e Strickland descreve seu trabalho como se fosse uma espécie de agricultura. “Começamos com essas células incríveis que revestem a glândula mamária de uma mulher”, explica ela. “Usando as mesmas técnicas que usamos por décadas para cultivar células fora do corpo, somos capazes de reproduzir o comportamento que essas células desenvolveram ao longo de milhões de anos, para produzir componentes em quantidades que atendam às necessidades do bebê.”

Os cientistas há muito cultivam células para pesquisas biomédicas, mas foi em 2013, quando Mark Post da Universidade de Maastricht serviu um hambúrguer cultivado em laboratório para críticos de comida na TV, que a ideia de fazer comida a partir de células entrou na consciência pública. Desde então, dezenas de startups em todo o mundo começaram a fazer carne da mesma forma. Nenhum animal precisa sofrer e há possibilidades aparentemente infinitas, de foie gras sem crueldade a bacon kosher.

Ver o hambúrguer de Post consumido ao vivo foi “um momento crucial” para Strickland. Era óbvio para ela que o leite tinha que ser o próximo, embora represente um desafio técnico diferente. “Esses técnicos precisam colher cada célula que cultivam e transformá-la em um produto”, diz ela. Seu produto é a secreção, e não a célula. Assim como os produtores de leite têm prioridades diferentes que os produtores de carne, o produto de Strickland exige que ela mantenha suas células vivas e produzindo pelo maior tempo possível, em vez de vendê-las assim que amadurecerem.

Ela começou a fazer experimentos caseiros com o marido, que tem formação em química e engenharia: ele projetou o andaime no qual as células são cultivadas e mantidas separadas de suas secreções. Eles alugaram um pequeno espaço de laboratório e gastaram cerca de US $ 5.000 (£ 3.827) em equipamentos usados ​​do eBay, mas os experimentos eram caros. “Estávamos escolhendo entre alimentar células e alimentar nossos filhos. Tivemos que escolher nossos filhos”, diz Strickland, rindo. Eles usaram a fonte mais barata de células mamárias que puderam encontrar: úberes de vaca comprados por US $ 20 (£ 15) a peça do desnorteado gerente do matadouro mais próximo, levados ao laboratório e picados.

Strickland monitorou seu crescimento em diferentes condições e, quando ela pensou que havia criado a técnica ideal, começou a fazer experiências com células mamárias humanas, compradas de fornecedores comerciais que normalmente utilizadas para pesquisas sobre câncer de mama. Mas ela não tinha orçamento para testar se suas células estavam realmente produzindo leite humano. “Na maior parte, entre 2013 e 2016, eu apenas tive um hobby de ciências muito caro que a maioria das pessoas na minha vida achava ser extremamente estranho.”

Frustrada, ela desistiu de seu laboratório em 2016. Mas ninguém mais parecia estar implementando sua ideia e isso a incomodou. Em 2019, Strickland decidiu “fazer mais uma tentativa séria neste experimento”. Um amigo em comum a apresentou a Michelle Egger, que mais tarde se tornaria a CEO da Biomilq. Egger tem formação em ciência de alimentos e trabalhou na Fundação Bill e Melinda Gates. “Eu sei como fazer crescer células, mas não sei nada sobre como fazer uma empresa crescer, então Michelle trouxe essa experiência crucial”, diz Strickland.

Egger e Strickland contrataram um laboratório comercial para realizar um experimento de prova, cultivando células por um mês e coletando amostras todos os dias. Em fevereiro de 2020, os resultados foram: as células estavam produzindo proteínas e açúcares únicos encontrados no leite materno. A descoberta levou ao investimento de US $ 3,5 milhões de Gates, o que lhes permitirá expandir o processo e que mudou a vida de Strickland. “Estou realmente realizando meu sonho”, diz ela. “Eu fico emocionada em nossas reuniões, porque é muito pessoal para mim.”

Leite com vários componentes ausentes

O leite humano que Strickland produz em seu laboratório é diferente do leite que sai da mama humana. Não pode mudar em resposta às necessidades do bebê, como o leite materno pode (por exemplo, ser diluído em dias mais quentes quando o bebê precisa de mais líquidos); não contém hormônios ou bactérias do bioma materno. Mais significativamente, não possui anticorpos, porque eles são importados do sangue da mãe para o leite, o que as células de laboratório não podem fazer. “Essa é uma parte do leite humano que não seremos capazes de replicar”, diz Strickland, com naturalidade.

Um comércio do leite humano que no Brasil é proibido

Em um mercado de leite humano online, as solicitações são postadas a cada hora, geralmente ao lado de uma foto de um bebê com os olhos arregalados de fome.

Ela pode se dar ao luxo de ficar tranquila sobre isso, porque a pesquisa de mercado do Biomilq sugere que bebês que bebem seu produto serão amamentados de qualquer maneira e receberão Biomilq como suplemento. “Esses bebês receberão os anticorpos de sua própria mãe, então eles receberão um leite humano com uma composição muito semelhante quando ela não puder amamentar - se ela quiser voltar a trabalhar, digamos, ou dormir durante a noite.” Sua declaração de missão diz que seu produto é para mulheres que “precisam de um pequeno impulso”. Seu consumidor-alvo é alguém que está determinado a amamentar, mas não consegue. Assim como Strickland era.

Mas quão “libertador” será o leite humano produzido em laboratório!? É fácil imaginar um cenário em que os empregadores possam estar menos dispostos a dar às mulheres espaço e tempo para amamentar se um produto como este existir. “Acho que queremos ser cuidadosos e conscienciosos sobre coisas como essa”, diz Strickland. “Certamente não queremos comprometer a capacidade de nenhuma mulher de amamentar”. Ela faz uma pausa. “Qualquer mulher que está no trabalho e ainda tenta amamentar seus bebês com leite materno passa boa parte do dia realizando ordenha. Isso é o que estaríamos almejando – a retirada do leite: poupando você de ter que fazer isso.”

Para Strickland, trata-se de abordar o abismo entre as expectativas das mães e a realidade. “Queremos apoiar a amamentação e incentivar as mulheres a fazê-lo. Simplesmente não há uma grande conversa sobre os desafios”, diz ela. “A maioria dos bebês não é amamentada exclusivamente por seis meses [como recomendado pela OMS] e não é porque as mulheres não sabem ou não se importam com os benefícios. É porque a vida moderna realmente não oferece às mulheres nenhuma solução para alcançá-lo.”

A pressão para não aceitar o “suficientemente bom” fornecido pela fórmula infantil pesa muito sobre as mães que desejam amamentar, mas são impedidas de fazê-lo pela biologia ou pelas circunstâncias. É o suficiente para ter alimentado o crescimento do mercado subterrâneo de leite humano. A invenção da fórmula deveria ter posto fim à prática da amamentação cruzada; em vez disso, o estigma associado a ele deu origem a uma nova economia digital de comércio do leite humano.

Serviços como “onlythebreast.com” conectam vendedores de leite humano com compradores, deixando para os compradores fazerem sua própria triagem. As pesquisas podem ser reduzidas de acordo com a localização, a idade do bebê para o qual o leite foi produzido e se o vendedor está seguindo uma dieta específica: vegana, vegetariana, sem glúten... O site informa que o leite ordenhado congelado deve ser ensacado duas vezes, embrulhado em jornal e colocado em uma geladeira com gelo seco antes de ser enviado ao destinatário. Isso custaria cerca de £ 36 por dia para alimentar um bebê de um mês com o leite comprado aqui, ao preço de £ 1- £ 1,50 a onça (29,5 ml), sem incluir postagem e embalagem.

Bancos de Leite Humano

Claro, muitas mulheres ficam felizes em doar o seu leite de graça. Existem 15 bancos de leite em hospitais no Reino Unido, que fornecem leite de doadores pasteurizado e rastreado, mas é destinado a bebês doentes e prematuros em unidades neonatais. Mães de bebês saudáveis ​​em busca de leite humano costumam se juntar a uma das dezenas de redes de compartilhamento de leite do Facebook na esperança de encontrar um doador próximo. 

O grupo Human Milk 4 Human Babies UK no Facebook tem mais de 27.000 membros. Um novo pedido de leite é postado a cada hora mais ou menos, geralmente acompanhado de fotos de bebês pequenos.

As mulheres que postam nesses fóruns recorreram à mídia social por desespero. Uma mãe, que pediu leite de um doador para alimentar seu filho de quatro semanas enquanto ela “trabalhava para completar” seu suprimento, me disse que seu fracasso em produzir leite suficiente para ele foi uma experiência “extremamente dolorosa”. “Todos concordam que o leite humano é uma opção melhor do que a fórmula.”

Outra mãe iniciou a busca pelo leite humano um mês antes do nascimento do segundo filho. Foi, disse ela, “a melhor decisão”. Ela havia “tentado de tudo” para amamentar seu primeiro filho, desde alugar uma bomba tira-leite de padrão hospitalar até tomar medicamentos que poderiam ajudar a aumentar a lactação, mas “nada funcionou”. Agora ela dirige pelo menos uma hora e meia a cada duas semanas para coletar leite de doador congelado para seu filho de cinco meses.

“O leite materno tem ingredientes nutricionais que a fórmula simplesmente não tem”, disse ela. “Eu penso nisso como comer alimentos orgânicos de qualidade em vez de tomar um suplemento sintético. É a melhor coisa que posso dar ao meu filho.” 

O leite materno se tornou um símbolo de nutrição ideal - e maternidade ideal. Mas Joan Wolf , professora associada de estudos femininos e de gênero no Texas A&M University e autora de Is Breast Best?, diz que as mulheres foram "grosseiramente enganadas" sobre a extensão das vantagens, porque é impossível separar os benefícios do leite materno do benefícios de ter uma mãe que deseja amamentar.

Este leite materno produzido em laboratório pode ser muito perigoso, reforçando a ideia de que realmente importa amamentar

“Você olha para a sociologia da amamentação e as crenças das mulheres que amamentam: elas estão determinadas a fazer tudo o que puderem por seu bebê”, diz ela. “Eles são de classe média; eles sentem que têm que se manter atualizados”. Wolf argumenta que cada vez mais sentimos que temos o dever de reduzir o risco para nós mesmos ou nossas famílias. “As mães devem reduzir qualquer risco para o bebê, não importa o quão pequeno seja, e não importa o custo para a própria mãe. O leite materno fica fetichizado por causa do elemento de risco - porque é natural e porque dá às mulheres uma sensação de poder absoluto sobre seus bebês.”

Publicidade

A disponibilidade de leite cultivado em laboratório não vai saciar esse desejo de minimizar todos os riscos para o seu bebê, diz Wolf. “Um dia teremos 15 leites maternos diferentes para escolher, cada um com qualidades diferentes. Mães não saberão qual escolher. Eles dirão: 'Se eu tomar este, o bebê terá uma infecção gastrointestinal, ou se eu escolher este, ele terá câncer mais tarde.' E esse leite humano produzido em laboratório pode ser muito perigoso, porque pode reforçar a ideia de que amamentar não é tão importante”.

O trabalho de Strickland nos Estados Unidos pode ser inovador, mas ela não está sozinha. Ela tem um rival igualmente bem financiado no Oceano Pacífico, apoiado por investidores tão diversos como o titã vegano britânico de private equity Jeremy Coller e o príncipe Khaled bin Alwaleed bin Talal Al Saud da Arábia Saudita.

“Somos a primeira empresa de biotecnologia do mundo a usar métodos baseados em células para criar leite”, diz Fengru Lin, fundador e CEO do TurtleTree Labs de Cingapura, com a confiança de quem tem certeza de que sua empresa não é apenas a primeira, mas será o melhor.

Falo com o estrategista-chefe de Lin e TurtleTree, Max Rye, em uma vídeo chamada para suas respectivas casas na cidade natal de Lin, Cingapura (Rye se mudou dos Estados Unidos para cá quando lançaram a empresa). Ela está com uma blusa esmeralda, o cabelo preso para trás em um rabo de cavalo elegante. Ele é a cara do americano relaxado, recostado no sofá em uma camisa polo azul. Antes mesmo de eu fazer minha primeira pergunta, Rye me diz que quer que as mães amamentem. “Gosto sempre de dizer, desde o início, que achamos maravilhoso. Nunca queremos que isso pare. Não há nada igual”, diz ele. “Embora possamos fazer o leite materno como produto, ainda estamos longe da realidade.”

Solução ou problema?

Pode levar muitos anos até que possamos ir ao supermercado e comprar uma mamadeira de leite humano. Mas a existência de empresas como TurtleTree Labs e Biomilq pode muito bem ser um sintoma de um problema, ao invés de uma solução. Nas circunstâncias erradas, seus produtos podem ser usados ​​para impedir as mulheres de amamentar em público... Se as mulheres fossem mais apoiadas na amamentação, menos julgadas em geral, então o leite humano produzido em um laboratório poderia não ser necessário.

Strickland acredita que, uma vez que seu produto esteja no mercado, será menos fácil julgar as mulheres pela forma como alimentam seus bebês. “Uma mãe sentada ali dando uma mamadeira com nosso leite terá a mesma aparência que uma mãe com uma mamadeira ou leite bombeado. Seria indistinguível”, diz ela. Além disso, o leite cultivado em laboratório já está provocando discussões muito necessárias sobre o que consideramos “natural”. “Se nada mais, considero o Biomilq já um sucesso, porque podemos participar dessas conversas.”

É difícil argumentar contra isso. Mas se o leite materno cultivado em laboratório muda a conversa para melhor, depende de quem o está produzindo e de quem pode usá-lo. Esta invenção pode ser o bebê de Strickland, mas ela não pode controlar no que vai crescer.

*Jenny Kleeman é autora de Sex Robots & Vegan Meat: Adventures At the Frontier Of Birth, Food, Sex & Death (Picador).

Tradução livre por Marcus Renato de Carvalho

 

 


Última atualização: 25/11/2020

 

Curtir

Comentários


Essa é uma área colaborativa, por isso, não nos responsabilizamos pelo conteúdo. Leia nossa Política de Moderação.
Caso ocorra alguma irregularidade, mande-nos uma mensagem.

 

Depoimentos

Gostou do site? Ele te auxiliou em algum momento? Deixe seu depoimento, assine nosso livro de visitas! Clique aqui.

Quem Somos | Serviços | Como Apoiar | Parceiros | Cadastre-se | Política de Privacidade/Cookie/Moderação | Fale Conosco
O nosso portal possui anúncios de terceiros. Não controlamos o conteúdo de tais anúncios e o nosso conteúdo editorial é livre de qualquer influência comercial.
Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência. Ao navegar no mesmo, está a consentir a sua utilização. Caso pretenda saber mais, consulte a nossa Política de Privacidade/Cookie.
25 Ano no ar ! On-line desde de 31 de julho de 1996 - Desenvolvido por FW2 Agência Digital